Pai mata três crianças brasileiras em Porto Rico e se suicida

Erick Ramirez, americano de 50 anos, asfixiou as crianças, de 9, 7 e 5 anos, e se enforcou em seguida. A mãe estava em viagem aos EUA

Três crianças brasileiras foram encontradas mortas nesta quarta-feira na cidade de Ponce, a principal da costa sul de Porto Rico. A polícia porto-riquenha atribui o crime ao pai, o americano Erick Seguinot Ramírez, de 50 anos, que se enforcou nos fundos da casa de sua mãe, na localidade de Jacaranda, em Ponce. Erick Gabriel, de 9 anos, Elin, de 7 anos, e Emanuele, de 5 anos, são filhos de Ramírez com a brasileira Marlene Martins de Rocha, de 33 anos, natural da cidade de Forquilhinha, sul de Santa Catarina.

Segundo o superintendente da polícia de Porto Rico José Caldero Lopez, as crianças estavam sob os cuidados da avó paterna enquanto Marlene viajava aos Estados Unidos, onde fazia um curso. Ela foi ao país no dia 17 de outubro e voltaria hoje a Porto Rico.

A imprensa local noticiou que policiais chegaram à casa da mãe de Ramírez por volta das 7h30 desta quarta-feira para investigar uma chamada de uma vizinha, que relatava um suicídio. Quando entraram na casa, encontraram as crianças mortas.

erick-ramirez-fichado

Erick Ramírez, fichado na polícia por violência contra a mulher (Reprodução)

Em um vídeo publicado nas redes sociais da polícia, Caldero Lopez informou que, ao que tudo indica, as crianças foram asfixiadas ou estrangulados pelo pai. Denunciado pela mãe das crianças, ele havia sido fichado por violência contra a mulher no dia 10 de outubro e estava em liberdade sob fiança. A ordem de proteção emitida contra Ramírez na ocasião não o impedia de se aproximar dos filhos. “Não sabemos o que aconteceu, mas o que parece é que foram estranguladas. Os corpos foram encontrados em suas caminhas”, informou o superintendente.

A prefeita de Ponce, María Meléndez, disse que está chocada. “É uma tragédia, é algo que nunca se espera. Algo deve ter passado pela mente deste homem”.

O governador de Porto Rico, Alejandro García Padilla, também classificou o assassinato como uma “tragédia”. “O instinto que nós pais temos é o de defender, proteger, cuidar. Portanto, não posso fazer mais do que orar pelo descanso de sua alma, pela tranquilidade da família”, disse o governador.

Marli Martins da Rocha, tia das crianças, disse ao portal G1 que a família vive há três anos em Porto Rico e que Erick Ramírez era “um pai carinhoso, muito prestativo, só com ela era um pouco violento”.

Segundo o relato de Marli ao portal, a mãe das crianças ligou para ela avisando sobre a morte do marido e informando que as crianças estavam bem, dormindo em suas camas. “Horas depois ela me ligou e contou que, na verdade, ele ‘levou’ as crianças junto com ele”, contou.

VEJA ON LINE/G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *