Tem gente que só come lentilha na virada do ano – o que considero um desperdício! O astral que este alimento proporciona pode ser aproveitado no dia a dia.

O consumo de leguminosas, como feijão, grão de bico e lentilhas, tem caído no Brasil. Enquanto isso, os números da balança sobem. Isso é reflexo da falta que elas nos fazem. Isso porque são ricas em fibras solúveis. No caso da lentilha, são 25% delas, que ajudam a regular os níveis de glicose, colesterol e os picos de insulina, responsáveis pelo acúmulo de gordura no corpo.

Mais que sorte, elas ainda contêm carboidratos complexos, ácido fólico, B6, magnésio e muito ferro: uma xícara de chá satisfaz as necessidades diárias desse mineral.

Como características que a tornam única, a lentilha ainda fornece folato, um tipo de vitamina B que beneficia as funções cerebrais. E o triptofano, um aminoácido que faz parte da formação da serotonina, responsável pelas sensações de relaxamento e bem-estar.

De olho nestes benefícios, a minha dica é fazer uma saladinha ou sopa de lentilha à noite, para ajudar na hora do sono. Outra receita é um exemplo perfeito para fazer a troca vantajosa: prepare pratos que faria tradicionalmente com feijão, trocando-o pela lentilha – ela contém metade das calorias!