Mônika Oelkerf: Professora aposentada apresentou sintomas de reação à vacina no dia seguinte à visita ao posto de saúde em Ibiúna | Foto: Arquivo Pessoal© BBC Professora aposentada apresentou sintomas de reação à vacina no dia seguinte à visita ao posto de saúde em Ibiúna | Foto: Arquivo Pessoal

A professora aposentada Mônika Oelkerf, de 76 anos, saiu de sua casa, em Ibiúna, no interior de São Paulo, no dia 8 de janeiro para se vacinar contra febre amarela, mas morreu oito dias depois em um caso extremamente raro de reação adversa à imunização.

Mônika começou a sentir-se mal no dia seguinte à visita ao posto de saúde Dr. Darcy Bandeira. Com muito cansaço, febre, fraqueza e falta de apetite, ela foi levada a um pronto-socorro, onde familiares afirmam que ela apenas recebeu soro.

Seu quadro não melhorou, e ela foi para a cidade de São Paulo, a 75 km de Ibiúna, para ser examinada no Hospital do Servidor.

“No hospital, remontaram seu histórico clínico, pediram exames e diagnosticaram uma reação muito forte à vacina, dizendo que o corpo dela estava manifestando sintomas da doença”, diz sua sobrinha-neta, Bianca Wiederin, de 28 anos, que acompanhou Mônika em sua internação em São Paulo.

“Como o funcionamento do fígado e dos rins foi comprometido, ela foi para a UTI, onde uma equipe de infectologistas assumiu e fez o mesmo diagnóstico.” Internada no dia 14, Mônika teve de ser entubada no dia seguinte e morreu no dia 16.

No documento do hospital que acompanhou o corpo, enviado ao Serviço de Verificação de Óbito, está escrito na última linha: causa possível – febre amarela, reação vacinal.

O laudo da morte da aposentada lista, entre os diagnósticos, hemorragia pulmonar, hepatite aguda, icterícia febril e febre hemorrágica, sintomas da doença viscerotrópica aguda (DVA), uma reação à vacina em que o paciente desenvolve um quadro semelhante ao da doença até dez dias após ser imunizado. Além disso, ela sofria de obesidade, arteriosclerose, diabetes e hipertensão.

Estima-se que ocorra um caso de DVA para cada 400 mil doses aplicadas, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Segurança e recomendações

Laudo: Documento do hospital aponta como causa possível da morte: febre amarela, reação vacinal | Foto: Arquivo Pessoal© BBC Documento do hospital aponta como causa possível da morte: febre amarela, reação vacinal | Foto: Arquivo Pessoal

A vacina contra febre amarela é considerada altamente segura e, atualmente, é recomendada para quem tem entre nove meses – ou seis, em áreas consideradas de alto risco – e 59 anos de idade. Acima dessa faixa etária, o paciente deve se consultar com um médico para avaliar o estado do sistema imunológico e se o risco de contágio é alto ou não antes de se vacinar.

Segundo a Fiocruz, o risco de reação adversa é ainda maior para quem tem acima de 70 anos, como era o caso de Mônika. Diabéticos e hipertensos como a aposentada não têm contraindicação para a vacina desde que estejam com os níveis de glicemia e pressão controlados.

“Para mim, por questões de saúde e da idade, está claro que era contraindicado ela se vacinar”, diz Bianca. “Mas uma senhora, longe da família, foi tomar. O posto não deveria ter vacinado sem entender o histórico dela.”

À BBC Brasil, a coordenadora de vigilância epidemiológica de Ibiúna, Elisângela Cardoso Pires, explicou ser “impossível” que a aposentada não tenha passado por uma avaliação ou triagem no posto de saúde.

“Fazemos uma reunião uma vez por semana com enfermeiros e auxiliares de enfermagem, que prestam o atendimento nos locais de vacinação, para reforçar os critérios”, afirmou Pires.

A coordenadora disse ainda que Ibiúna foi considerada uma área de risco pelo Grupo de Vigilância Epidemiológica de Sorocaba [ligado à Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo]. “A região é cercada por mata e tem muitos cursos d’água. Além disso, tivemos cinco casos confirmados de macacos mortos com febre amarela em locais distantes entre si.”

Laudo aponta sintomas correspondentes aos da reação à vacina | Foto: Arquivo Pessoal© BBC Laudo aponta sintomas correspondentes aos da reação à vacina | Foto: Arquivo Pessoal

Segundo Pires, isso significa que a aplicação da vacina em idosos dispensa a apresentação de uma carta de avaliação médica atestando o bom estado de saúde do paciente, informação confirmada pelo governo estadual. Logo, bastaria uma avaliação de saúde no momento da imunização e no próprio local de vacinação por um enfermeiro.

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo disse à BBC Brasil desconhecer o caso e informou que cabe aos municípios investigarem os casos de morte pela doença.

“De 2017 até o momento, houve 40 casos autóctones de febre amarela silvestre confirmados no Estado. Vinte e um deles evoluíram para óbitos. Não há casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942”, disse em um comunicado enviado à BBC Brasil.

Custo-benefício

Vacina contra febre amarela é considerada altamente segura© AFP Vacina contra febre amarela é considerada altamente segura

Em pacientes com um sistema imunológico sadio, a vacina estimula o corpo a produzir anticorpos, para que, se houver um contágio, seu organismo seja capaz de combater a doença.

Mas, por ser feita a partir de vírus vivos atenuados, em determinados grupos de pacientes, como quem está com a imunidade debilitada ou tem alergias a elementos do ovo de galinha, usado em sua produção, a vacina pode causar problemas graves, como a DVA.

“É algo muito raro, mas pode ocorrer. São pouquíssimos casos em que essa reação leva ao óbito”, diz Akira Homma, consultor científico sênior da Bio-Manguinhos/Fiocruz, ressaltando que “o custo-beneficio da vacinação é absurdamente claro”. “É muito melhor se vacinar do que ter a doença.”

Publicidade

De acordo com os índices oficiais de incidência do governo, em um universo de 20,6 milhões de pessoas imunizadas – a meta estabelecida pela campanha do Ministério da Saúde para os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia -, 51 poderão ter esta reação grave, ou 0,00025% dos pacientes.

Por sua vez, o grau de letalidade da febre amarela silvestre foi de 51% entre 1980 e 2004, de acordo com dados do governo. Isso significa que cerca de 10 milhões de pessoas correriam risco de morte em um cenário de epidemia em que todas as 20,6 milhões de pessoas fossem contaminadas.

Desde o início do surto, em 1º de dezembro de 2016, até 1º de agosto de 2017, foram confirmados 777 casos e 261 óbitos por febre amarela. Do meio do ano passado até o último dia 14, foram 35 casos – os números podem crescer, já que vários casos suspeitos estão em investigação.

O governo ainda analisa se classifica o quadro atual como um surto. Oficialmente, trata como um aumento atípico de casos, uma situação que gerou alarme e fez muitas pessoas, como Mônika, procurarem os serviços de saúde para se proteger.

“Minha mensagem é para tomarem cuidado com os idosos”, diz a sobrinha-neta da aposentada.

“Uma senhora deveria ser aconselhada a procurar seu médico para ver se poderia tomar a vacina. Quero mais pessoas informadas, porque as pessoas no próprio posto às vezes não estão preparadas.”